SEJAM BEM-VINDOS!

Este é um blog educativo. Minha intenção é postar meus projetos de literatura infantil, em verso e prosa, para ajudar pais e professores na educação de nossas crianças.



Todos os textos aqui publicados são de minha autoria e estão devidamente registrados no EDA da Biblioteca Nacional.



RESPEITEM OS DIREITOS AUTORAIS!



Já possuo dois livros publicados: o primeiro com o Patrocínio da Prefeitura de Juiz de Fora, intitulado "Os Sonhos da Favela",
é um paradidático pré-adolescente que aborda temas como violência, drogas, gravidez adolescente, oportunidades e decisões.e o segundo pela Editora Uirapuru, intitulado "As cores do Meu Brasil" é um livro infantil que conta a história da diversidade do nosso Brasil dando ênfase à cultura Afro-brasileira.

Saudações literárias.


Vera Ribeiro Guedes.





OS SONHOS DA FAVELA

OS SONHOS DA FAVELA
TRABALHO REALIZADO PELOS ALUNOS DA ESCOLA MUNICIPAL HENRIQUE JOSÉ DE SOUZA - JUIZ DE FORA - MG

AS CORES DO MEU BRASIL

AS CORES DO MEU BRASIL
Livro infantil de cultura afro-brasileira

terça-feira, 2 de março de 2010

A FADINHA JURUBIRA


Jurubira é uma linda fadinha, que vive na floresta. Possui um lindo par de asas cor-de-rosa, uma varinha na mão, e um lindo vestido colorido como o arco-íris.


Que linda é Jurubira!

Boazinha, a fadinha sempre se preocupava com todos os animais da floresta. Desde o Rei Leão, até o pequeno vaga-lume, que com suas luzinhas, sempre iluminava o caminho da fadinha.

Um dia, nasceu na floresta um lindo veadinho. Seu nome era Tito. Ele era muito engraçado. Tinha umas pernas muito compridas e, quando tentava andar, sempre se atrapalhava. E, Jurubira veio em seu auxílio; bastou um toque de sua varinha e pronto... Tito corria... corria... e saltitava.

O Rei Leão é o animal mais forte da floresta; não é à toa que ele é o Rei. Ele gostava muito de Jurubira. Dera-lhe até um título de “Fada Real”. Todas as vezes que seu reino estava em perigo, a fadinha Jurubira sempre ajudava.

E assim aconteceu... Um dia, um caçador malvado, entrou na floresta, armado. E começou a correr atrás dos animais. Primeiro foi seu Coelho, mas, como era esperto, deu uma volta no caçador, que se enrolou nas pernas e levou um baita tombo.

Mas, o caçador não desistiu, e foi atrás do pobre veadinho, que acabara de aprender a andar. Com o susto, Tito caiu e não conseguiu levantar. O caçador, então, apontou sua arma para Tito, que tremia de medo.

Foi quando todos os animais da floresta, em um lindo coro, chamaram por Jurubira.

O Rei Leão rosnava, os Sapos coaxavam, os Passarinhos cantavam e os Vaga-Lumes iluminavam o caminho de Jurubira, que, mais uma vez, com o toque de sua varinha, transformou a arma do caçador em uma linda flor.

O caçador ficou com muito medo, pois viu-se cercado por todos os animais da floresta, que queriam devorá-lo. Porém, a fadinha boazinha disse sabiamente: “- Deixem que ele se vá. Não devemos ser malvados como os que querem nos maltratar.”

E o caçador, agradecido, prometeu nunca mais voltar à floresta, para maltratar os animais.

VERA RIBEIRO GUEDES

2 comentários:

  1. Vera, se todas nossas crianças, fossem educadas nesta teoria do seu conto, teríamos menos vilencia no país!
    Parabéns pelo blog, bjs Regina Balbe

    ResponderExcluir
  2. Concordo plenamente com a Regina Balbe!

    ResponderExcluir